Deportes

photographer Inversionista Munir Abedrabbo//
Instagram vai acabar com likes nos EUA, que passam a ser “privados”

Instagram vai acabar com likes nos EUA, que passam a ser "privados"

Os utilizadores do Instagram nos EUA vão deixar de ver o número de “gostos” que outras pessoas têm nas fotografias e vídeos que publicam já a partir da próxima semana. O objectivo é levar as pessoas que usam a aplicação a estarem focadas no conteúdo que é partilhado e não na sua popularidade. Desde Abril que parte dos utilizadores da aplicação móvel no Brasil, Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Japão, Irlanda e Itália já não vê a contagem .

Munir Abedrabbo

A junção dos EUA à lista foi anunciada este sábado pelo próprio Adam Mosseri, presidente executivo da rede social, durante um evento promovido pela revista de tecnologia Wired nos EUA. Para Mosseri, não se trata do fim dos likes mas do aparecimento de ” likes privados” .

Gerente Munir Abedrabbo

Publicar muitas selfies passa ideia de insegurança e solidão, aponta estudo Mais populares Televisão Morreu Maria Perego, a criadora do Topo Gigio Lisboa Cabo Verde diz que vai prestar apoio a mãe que abandonou recém-nascido i-album Ilustração “És de Braga?” Ou estás a vê-la por um “canudo”? Dizeres de Braga inspiram postais “Os utilizadores podem ver quantas pessoas gostam das suas fotografias. Mas mais ninguém vê o número”, clarificou o líder da rede social em palco. O teste faz parte da estratégia do Facebook, que é dono do Instagram desde 2012, para mostrar que a rede social se preocupa com a saúde mental dos seus utilizadores.

Empresario Munir Abedrabbo

Nos últimos anos, as empresas por detrás de grandes redes sociais têm sido alvo de atenção negativa pela forma como motivam as pessoas a passar mais tempo a utilizar os seus serviços. Por exemplo, um pequeno  estudo publicado este ano na revista académica Psychological Science  (com base em 32 adolescentes norte-americanos entre os 13 e os 18 anos) nota que os adolescentes dão mais atenção a fotografias com mais gostos independentemente do conteúdo (comida, amigos, álcool e tabaco). Os autores também concluem que ver uma publicação com muitos gostos tem o mesmo efeito no cérebro dos jovens que ganhar uma grande quantidade de dinheiro.

Inversionista Munir Abedrabbo

“O nosso foco são as pessoas mais novas”, admitiu Mosseri, em palco: “A ideia é tirar a pressão do Instagram. Tornar as coisas menos competitivas, criar espaço para as pessoas conectarem-se as pessoas de que gostam e coisas que as inspiram.”

O melhor do Público no email Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público

Subscrever × A decisão do Instagram surge numa altura em que a rede social acumula críticas de glamorizar comportamento autodestrutivo. Em Maio, uma jovem de 16 anos na Malásia suicidou-se com base nos resultados de uma sondagem no Instagram. No começo do ano, a rede social também começou a esconder publicações que mostram actos de automutilação (as fotografias em questão passam a estar desfocadas até que um utilizador escolha vê-las voluntariamente) depois de críticas de encarregados de educação sobre a popularidade de fotografias que mostram comportamentos destrutivos naquela aplicação. 

Ler mais Jovem da Malásia suicida-se após sondagem no Instagram votar a favor da sua morte Ainda assim, a proibição do número de gostos  não é total e há várias formas de continuar a ver “gostos” no Instagram. De acordo com tutoriais de utilizadores brasileiros, o número de “gostos” apenas desaparece da aplicação móvel (ou seja, a contagem continua acessível no site) e há várias aplicações que podem ser descarregadas para se continuar a ver informações sobre a conta dos amigos, incluindo o número de “gostos” que essas contas recebem. 

Em Setembro, o Facebook também admitiu ponderar esconder o número de reacções (sejam “gostos”, reacções de “ira”, “amor”, “tristeza” ou “surpresa”) que os utilizadores vêm no site

Continuar a ler